BBC despede mais de mil trabalhadores

A BBC, maior grupo audiovisual público do mundo, anunciou hoje a supressão de mais de 1.000 postos de trabalho para reduzir custos e em resposta à mudança de hábitos do público, que implicou uma redução das receitas.

Segundo a BBC, a maioria dos cargos que serão eliminados, de um total de 16.600, são da gestão porque o objetivo é que a organização se torne "mais simples, mais ágil".

"Segundo as estimativas, a taxa de contribuição para o audiovisual para o período 2016/17 será inferior em 150 milhões de libras [cerca de 212 milhões de euros] face ao previsto em 2011", já que as pessoas veem cada vez mais televisão que não o televisor, segundo Tony Hall, diretor-geral da BBC.

O número de lares com televisão está, assim, a diminuir, segundo Tony Hall.

Nos últimos anos, a BBC suprimiu milhares de empregos no âmbito de um plano para poupar 800 milhões de libras iniciado em 2010.

Paralelamente, o grupo público de radiotelevisão também reduziu o património imobiliário para reduzir os custos. Em junho, a BBC anunciou que o seu imobiliário diminuiu 40% desde 1998.

A venda de imóveis, a redução de efetivos e dos custos administrativos bem como a cedência de certos direitos de televisão sobre o desporto "permitirão economizar mais de 1,5 mil milhões de libras por ano até 2017", sublinhou hoje a BBC.

Mas "apesar dos progressos já realizados e devido ao congelamento da licença de televisão há sete anos, são necessárias novas economias", adianta o grupo.

"Isto demonstra mais uma vez que o sistema de financiamento do audiovisual deve ser modernizado" e passar a ter em conta o visionamento dos programas em linha ou nos telemóveis, não submetidos à posse de uma licença, refere a BBC.

A BBC recebeu 3,7 mil milhões de libras em 2013/2014 das receitas da taxa de contribuição para o audiovisual, que custa a cada lar britânico 145,5 libras (cerca de 184 euros) por ano, uma taxa que não é alterada há sete anos no âmbito da política de austeridade do Governo.

Fonte: Económico

Partilhar