SATA "está preparada" para a chegada dos voos low cost

As companhias áereas low cost estão prestes a 'aterrar' nos Açores. O presidente da SATA não teme a concorrência.

Com uma dívida de 179 milhões, a SATA prepara-se para enfrentar a concorrência das companhias aéreas de low cost, após a liberalização do mercado. Para o presidente da empresa, Luís Parreirão, “todos os negócios são respeitáveis” e compete à sua companhia saber “diferenciar a oferta pela qualidade do serviço”.

“Sei que frequentemente as pessoas se questionam por que razão uns podem e outros não, porque uns vendem a 30 euros e outros não vendem a menos de 100 euros”, começa por dizer, explicando, “sem se pronunciar sobre outras empresas”, que “vários padrões exigem custos diferenciados, tanto em matéria de recursos humanos como, até, de combustível”.

Ciente de que o seu principal público-alvo são os açorianos, o empresário afirma que sabia que “a liberalização ia acontecer” e que se preparou “ da melhor forma possível” para os novos desafios.

Posto isto, a redução de preços não será a principal forma de concorrência às companhias de baixo custo, embora admita que a SATA vá continuar a oferecer “no mínimo 50 mil lugares com tarifas promocionais”. “Estamos atentos aos nossos clientes e à possibilidade de lhes permitir poupanças no transporte aéreo”, refere.

Fonte: Noticias ao Minuto

Partilhar